• +55 13 99615 8477
  • osvaldo.costa@euamopg.com

Praia Grande

Entrevista com Lucas Fink, atleta brasileiro de Skimboard

Confira a programação do 3º Encontro Municipal do Empreendedor! 

::: 3º ENCONTRO MUNICIPAL DO EMPREENDEDOR ::::.

Em razão da comemoração do Dia Municipal do Microempresário

e do Microempreendedor Individual, conforme Lei Complementar 609/2011.

Programação:

8h – Credenciamento e café da manhã (Salão de Eventos – PDA);

9h15 – Abertura (Teatro Serafim Gonzalez – PDA);

10h – Palestra Desenvolvimento Econômico de Praia Grande com o prefeito Alberto Mourão;

11h – Palestra com o Arione Diniz – Fundador da Óticas Diniz;

12h – Intervalo para o Almoço.

Palestras Rápidas (tarde)

14h30 – Palestra “Desenvolva seu negócio através de conexões na prática”
Com Alexandre Mantovani, diretor executivo da Business Network International (BNI) na Baixada Santista.

15h10 – Palestra “Perspectivas e Cenários da Economia 2018/2019”
Com Paulo Sérgio Cereda, Sebrae/SP.

15h50 – Mesa Redonda: A importância e como o empreendedor pode obter o micro crédito.
Participação SEBRAE/SP, SICOOB, do Banco do Povo Paulista –

Público alvo:

Microempreendedores Individuais (MEI)

Microempresários (ME)

Empresas de Pequeno Porte (EPP)

Futuros empreendedores

Data:

17 de Julho de 2018 (terça-feira)

Horário:

Das 8:00 horas as 17:00 horas

Local:

Palácio das Artes de Praia Grande (PDA PG)

Inscrições neste link

Dia da Pizza

História

A história da pizza começou com os egípcios. Acredita-se que eles foram os primeiros a misturar farinha com água. Outros afirmam que os primeiros foram os gregos, que faziam massas a base de farinha de trigo, arroz ou grão-de-bico e as assavam em tijolos quentes. A novidade foi parar na Etrúria, na Itália.

Ao contrário do conhecimento popular e do fato ser considerada tipicamente italiana, os babilônios, hebreus e egípcios já misturavam o trigo e amido e a água para assar em fornos rústicos há mais de 5 000 anos. A massa era chamada de “pão de Abraão”, era muito parecida com os pães árabes atuais e recebia o nome de piscea.

Os fenícios, três séculos antes de Cristo, costumavam acrescentar coberturas de carne e cebola ao pão; os turcos muçulmanos adotavam esse costume durante a Idade Média e, por causa das cruzadas, essa prática chegou à Itália pelo porto de Nápoles, sendo, em seguida, incrementada, dando origem à pizza que conhecemos hoje.

No início de sua existência, somente as ervas regionais e o azeite de oliva, comuns no cotidiano da região, eram os ingredientes típicos da pizza. Os italianos foram os que acrescentaram o tomate, descoberto na América e levado à Europa pelos conquistadores espanhóis. Porém, nessa época, a pizza ainda não tinha a sua forma característica, redonda, como a conhecemos hoje, mas sim dobrada ao meio, feito um sanduíche ou um calzone.

A pizza era um alimento de pessoas humildes do sul da Itália, quando, próximo do início do primeiro milênio, surgiu o termo picea, na cidade de Nápoles, considerada o berço da pizza. “Picea” indicava um disco de massa assada com ingredientes por cima. Servida com ingredientes baratos, por ambulantes, a receita objetivava “matar a fome”, principalmente a da parte mais pobre da população. Normalmente, a massa de pão recebia, como sua cobertura, toucinho, peixes fritos e queijo.

A fama da receita correu o mundo e fez surgir a primeira pizzaria de que se tem notícia, a Port’Alba, ponto de encontro de artistas famosos da época tais como Alexandre Dumas, que, inclusive, citou variações de pizzas em suas obras.[carece de fontes]

Em 1962, Sam Panopoulos (1934-2017), grego emigrado no Canadá e dono de vários restaurantes, teve a ideia de acrescentar ananás a uma pizza.

Brasil
Chegou ao Brasil da mesma forma, por meio dos imigrantes italianos, e, hoje, pode ser encontrada facilmente na maioria das cidades brasileiras. Até os anos 1950, era muito mais comum ser encontrada em meio à colônia italiana, tornando-se, logo em seguida, parte da cultura deste país. Desde 1985, comemora-se o dia da pizza no dia 10 de julho.

Foi no Brás, bairro paulistano dos imigrantes italianos, que as primeiras pizzas começaram a ser comercializadas no Brasil. Segundo consta no livro Retalhos da Velha São Paulo, escrito por Geraldo Sesso Jr., o napolitano Carmino Corvino, o dom Carmenielo, dono da já extinta Cantina Santa Genoveva, instalada na esquina da Avenida Rangel Pestana com a Rua Monsenhor Anacleto, inaugurada em 1910, passou a oferecer as primeiras pizzas da cidade.[carece de fontes]

Aos poucos, a pizza foi-se disseminando pela cidade de São Paulo, sendo abertas novas cantinas. As pizzas foram ganhando coberturas cada vez mais diversificadas e até mesmo criativas. No princípio, seguindo a tradição italiana, as de muçarela e anchova eram as mais presentes, mas, à medida que hortaliças e embutidos tornavam-se mais acessíveis no país, a criatividade dos brasileiros fez surgir as mais diversas pizzas.

A verdadeira pizza napolitana
Em 1982, foi fundada, em Nápoles, na Itália, por Antonio Pace, a Associação da Verdadeira Pizza Napolitana, (Associazione Verace Pizza Napoletana, em italiano) com a missão de promover a culinária e a tradição da pizza napolitana, defendendo, até com certo purismo, a sua cultura, resguardando-a contra a “miscigenação” cultural que sofre a sua receita. Com estatuto preciso, normatiza as suas principais características.

A associação age fortemente na Itália para que a pizza napolitana seja reconhecida pelo governo como “DOC” (di origine controllata, Denominação de Origem Controlada em português). Em 2004, um projecto de lei foi enviado ao parlamento, com o intuito de regulamentar, por lei, as verdadeiras características da pizza napolitana. O “DOC” é uma designação que regulamenta produtos regionais, tais como os famosos vinhos portugueses.

Além disso, a pizza napolitana está, desde Dezembro de 2009, protegida pela Comissão Europeia, junto com mais 44 produtos que têm o selo de “Especialidade Tradicional Garantida” (Specialità Tradizionale Garantita – STG).

Segundo a associação, a Verace Pizza Napolitana deve ser confeccionada com farinha, fermento natural ou levedura de cerveja, água e sal. A pizza deve ser, ainda, trabalhada somente com as mãos ou por alguns misturadores devidamente aprovados por um comité da organização. Depois de descansar, a massa deve ser esticada com as mãos, sem o uso de rolo ou equipamento mecânico. Na hora de assar, a pizza deve ser colocada em forno a lenha (somente), a 485°C, sendo que, sobre a superfície do forno, não deve ser colocado nenhum outro utensílio.

A variedade de coberturas é reconhecida pela organização, porém devem ter a sua aprovação, estando em conformidade com as tradições napolitanas e não contrastando com nenhuma regra gastronômica. Algumas coberturas são tidas como tradicionais, sendo elas (respeitando seus nomes italianos):

Marinara (Napolitana): tomate, azeite de oliva, orégano (orégão) e alho.
Margherita: tomate, azeite de oliva, queijo mozzarella e manjericão.
Ripieno (Calzone), uma pizza recheada: queijo ricota, queijo mozzarella especial, azeite de oliva e salame.
Formaggio e Pomodoro: tomate, azeite de oliva e queijo parmesão ralado.
Quando degustada, a pizza deve apresentar-se macia, bem assada, suave, elástica, fácil de ser dobrada pela metade. As bordas elevadas devem ser douradas”. O gosto da massa deve ser de pão bem fermentado, misturado ao sabor ácido do tomate, aroma de alho, orégano, manjericão.

A pizza deve ser obrigatoriamente redonda, não podendo o seu diâmetro ser maior do que trinta e cinco centímetros. Outra medida, a espessura no centro do disco, não deve ser maior do que cinco milímetros, e a borda não pode ser maior do que dois centímetros

O Dia da Pizza é comemorado em 10 de julho, quando a data foi instituída pelo então secretário de turismo Caio Luís de Carvalho, em 1985.

Foi feito um concurso estadual em São Paulo que elegeria as 10 melhores receitas de mussarela e margherita. Empolgado com o sucesso do evento, o secretário escolheu a data de seu encerramento, 10 de julho, como data oficial de comemoração.

 

Não deixe de baixar o #AppdaPG e pedir seu delivery em Praia Grande

 

Natação PcD masculina é tricampeã geral

Time municipal obtém 19 ouros, 11 pratas e 4 bronzes
10/7/2018

A seleção adulta (idade livre) masculina de natação para pessoas com deficiência (PcD) de Praia Grande (Secretaria de Esportes e Lazer – SEEL) encerrou na primeira colocação com 34 medalhas (19 ouros, 11 pratas e 4 bronzes) no torneio dos 62º Jogos Regionais (JR) do Estado de São Paulo – 1ª Região. Vale destacar que o título geral também foi conquistado pelo grupo municipal em 2017 e 2015.

O time da Cidade enfrentou adversários de Guarujá, Peruíbe, Santos, São Vicente, São Bernardo do Campo, Mauá, Santo André e São Caetano do Sul. As regras do Comitê Paraolímpico Brasileiro determinam a divisão de classes: S4 (lesão medular completa/membros inferiores amputados), S5 (paralisia cerebral/lesão medular incompleta), S6 (paralisia lateral e membros inferiores), S7 (paralisia lateral), S8 (amputado membro superior), S9 (membro inferior não funcional/amputação simples acima do joelho), S10 (limitação articular) e S13 (deficiente visual – baixa visão de 5 a 20º graus).

Confira os resultados do grupo municipal comandado pela técnica Silvia Schich Rodrigues com auxílio de Jayne Pereira do Nascimento:

1º (3) Rodrigo Santos Pessoa – S5 – 50, 100 e 200 livres
1º (3) Gabriel Melone de Oliveira – S6 – 50 borboleta, 100 livres e 100 costas
1º (3) Amauri Matias Braga – S11 – 100 costas, 50 e 100 livres
1º (3) Murilo Manna Marcondes – S14 – 100 costas, 100 e 200 livres
1º (3) Luiz Henrique Sieiro Lopes Ramirez – S14 – 50 livres, 100 borboleta e 100 peito
1º Vinicius Canas Gonçalves – S7 – 100 livres
1º Waltemir Francisco da Cruz – S6 – 400 livres
1º Gabriel, Rodrigo, Waltemir e Lucas Felipe Freire Ramos – revezamento 4×50 medley
1º Alex Francisco Lopes da Costa, Amauri, Luiz e Rodrigo – revezamento 4×50 livres
2º (3) Lucas – S6 – 400 livres, 100 borboleta e 100 peito
2º (3) Marcos – S14 – 100 costas, 100 e 200 livres
2º (2) Vinicius – S7 – 50 borboleta e 100 costas
2º (2) Rogério Aparecido Ramos – S7 – 50 e 100 livres
2º Alex – S8 – 100 peito
3º (2) Waltemir – S6 – 100 costas e 50 livres
3º (2) Alex – S8 – 50 e 100 livres
4º Renato Luiz de Araújo – S9 – 50 livres
6º Renato – S9 – 100 livres

Histórico da natação PcD masculina livre de Praia Grande nos Jogos Regionais:
2006 (sede Caieiras) – 6º lugar – (2 ouros e 1 prata)
2007 (sede Guarujá) – 8º lugar – (1 ouro e 1 prata)
2008 (sede São Caetano) – 4º lugar – (7 ouros, 4 pratas e 1 bronze) 
2009 (Santo André) – 4º lugar – (5 ouros, 8 pratas e 4 bronzes) 
2010 (Guarujá) – 4º lugar – (2 ouros, 7 bronzes e 6 bronzes) 
2011 (Santo André) – 4º lugar (4 ouros, 5 pratas e 1 bronze) 
2012 (Santo André) – 4º lugar (7 ouros, 3 pratas e 2 bronzes) 
2013 (Barueri) – 2º lugar (9 ouros, 5 pratas e 1 bronze) 
2014 (Osasco) – 4º lugar (10 ouros, 10 pratas e 3 bronzes) 
2015 (São Bernardo do Campo) – 1º lugar (13 ouros, 17 pratas e 4 bronzes) 
2016 (São Bernardo do Campo) – 3º lugar (9 ouros, 7 pratas e 2 bronzes) 
2017 (São Bernardo do Campo) – 1º lugar (17 ouros, 10 pratas e 5 bronzes) 
2018 (Santo André) – 1º lugar (19 ouros, 11 pratas e 4 bronzes)

Vazamento de combustível em Santos

Praia grande

Praia Games 2018

Situação das estradas no feriadão

Saiba a programação de Praia Grande nesta terça

Delegação municipal compete em Santo André
10/7/2018

Nesta terça-feira (10), em Santo André, a delegação de Praia Grande (Secretaria de Esporte e Lazer – SEEL) compete no sétimo dia (total de dez) dos 62º Jogos Regionais (JR) do Estado de São Paulo – 1ª Região, evento regido pela Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude (SELJ) e que reúne 25 municípios (de 31 possíveis), mais de três mil atletas, em 23 esportes.

Competem atletas de Praia Grande, São Bernardo do Campo, Santos, São Caetano do Sul, Santo André, Osasco, Guarujá, Ribeirão Pires, Peruíbe, Bertioga, Itanhaém, São Vicente, Cubatão, Mongaguá, Mauá, Rio Grande da Serra, Diadema, Cotia, Itapecerica da Serra, Itapevi, Jandira, Juquitiba, Taboão da Serra, Embu das Artes e Vargem Grande Paulista. Não participam as cidades de Barueri, Itariri, Pedro de Toledo, Carapicuíba, Embu-Guaçu e São Lourenço da Serra.

Participam do evento estadual os selecionados praia-grandenses de atletismo masculino e feminino (M/F), e para pessoas com deficiência (PcD) adultas (idade livre); basquete M sub-20, biribol M livre, bocha M livre, caratê M/F, capoeira M/F livre, damas mista livre, futsal M livre, futebol M sub-20, ginástica artística M sub-16 e F livre, ginástica rítmica F sub-14, handebol M/F sub-20, judô M/F livre, malha M livre, natação M/F/PcD livre; taekwondo M/F livre, tênis F/M livre, tênis de mesa M livre e F sub-20, vôlei M sub-20 e F livre, vôlei de praia M/F e xadrez M/F sub-20.

Confira a programação:

Terça-feira (10 de julho)
Ginásio do Complexo Esportivo Pedro Dell´Antonia
8h30 – 1ª rodada do tênis de mesa masculino livre – Praia Grande x Santo André
9 horas – 2ª rodada do tênis de mesa masculino livre – Praia Grande x São Bernardo do Campo

Piscina de 25 metros do Ginásio do Complexo Esportivo Pedro Dell´Antonia
9 horas – início dos torneios de natação feminina e masculina livres

Ginásio Poliesportivo da Faculdade de Medicina ABC
9h30 – 1ª rodada do handebol masculino sub-20 – Praia Grande x Guarujá

Clube Atlético Aramaçan
9h30 – 1ª rodada do vôlei de praia feminino livre – Praia Grande x São Caetano do Sul
10h30 – 2ª rodada do vôlei de praia masculino livre – Praia Grande x Peruíbe

Clube de Bocha Pinheirinho
10 horas – 2ª rodada da bocha masculina livre – Praia Grande x Peruíbe

Campo da Sociedade Esportiva Cidade Imaculada
10 horas – 2ª fase (12 melhores) do futebol masculino sub-20 – Praia Grande x Juquitiba

Ginásio Noêmia Assunção
13h30 – 2ª rodada do handebol feminino sub-20 – Praia Grande x São Caetano do Sul

Clube Atlético Aramaçan
15 horas – 2ª rodada do xadrez feminino sub-20 – Praia Grande x Cubatão
15 horas – 1ª rodada do xadrez masculino sub-20 – Praia Grande x São Vicente

Ginásio do Complexo Esportivo Pedro Dell´Antonia
18 horas – 2ª rodada do vôlei feminino livre – Praia Grande x Santo André

Utilização de Lousa Digital por aluno autista em Praia Grande

 

 

 

 

 

Confira todos os resultados de Praia Grande

Delegação municipal compete na 1ª Região
8/7/2018

No sábado (7), em Santo André, a delegação de Praia Grande (Secretaria de Esporte e Lazer – SEEL) participou do quarto dia (total de nove) de disputas dos 62º Jogos Regionais (JR) do Estado de São Paulo – 1ª Região, evento que envolve 25 municípios e é regido pela Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude (SELJ). 

Mais de 400 pessoas (entre atletas, técnicos e dirigentes) representam a Cidade em 23 modalidades: atletismo masculino (M), feminino (F) e para pessoas com deficiência (PcD); basquete M, biribol M, bocha M, capoeira M/F, caratê M/F, damas mista, futsal M, futebol M, ginástica rítmica F sub-14, ginástica artística M sub-16/F, handebol M/F, judô M/F, malha M, natação M/F/PcD, taekwondo M/F, tênis M/F, tênis de mesa M/F, vôlei M/F, vôlei de praia M/F e xadrez M/F. Apenas no basquete, futebol e futsal femininos; badminton, ciclismo e skate não há representantes locais.

A delegação de Praia Grande está alojada na Escola Estadual Senador João Galeão Carvalhal (Rua do Bosque, 64, Bairro Vila Bastos). O grupo municipal é chefiado pelo diretor do Departamento Esportivo da SEEL Cláudio Luiz Monteiro de Morais, o Camarão, com auxílio do professor Antônio Carlos Salles, Ed Carlos Correa Lima e Ivan dos Santos. 

Confira todos os resultados de Praia Grande:

atletismo masculino livre
2º Flávio Barbosa da Cruz – lançamento do disco
3º Dyogenes Gleyson Farias dos Santos – 400 metros
3º João Vitor de Jesus Assenção – 100 metros
3º Dyogenes, João Vitor, Gabriel Costa Santana Silva e Alexandre Alves Moura – revezamento 4×100
4º Marcos Roberto Santos Gomes – salto em distância
5º Jonathan Jesus dos Santos – lançamento do dardo
7º Gustavo Henrique Ribeiro Cunha – dardo
8º Lucas Goulart Moreschi – disco
11º Lucas Goulart – arremesso do peso
13º Elias Batista de Oliveira – 5km
14º Júlio Cesar Batista dos Santos 5 km
14º Gabriel Costa Santana Silva – 400 metros
16º Julio Cesar Muniz Marques – 800 metros

atletismo feminino livre
1ª Débora de Almeida Simões Moreira – arremesso do peso
2ª Débora – lançamento do disco
3ª Daniela Bitencourt Ennes – disco
3ª Ana Caroline Aguiar da Silva – lançamento do martelo
4ª Daniela – peso
5ª Thassany Cristine de Oliveira Neves – 400 metros
6ª Adiely Augusto Ribeiro – martelo

basquete masculino sub-20 (* qualificado a decisão do 3º lugar)
1ª rodada chave A – Praia Grande 32 x 57 Mauá
2ª rodada – Praia Grande 70 x 42 São Vicente
3ª rodada – Praia Grande 69 x 63 Santo André
semifinal – Praia Grande 45 x 83 São Caetano do Sul

biribol masculino livre (* qualificado a semifinal)
1ª rodada – Praia Grande 2 x 0 Guarujá
2ª rodada – Praia Grande 2 x 0 Itapevi
3ª rodada – Praia Grande 2 x 0 Cotia

futebol masculino sub-20
1ª rodada – Praia Grande 1 x 0 Jandira

futsal masculino livre (* qualificado a final)
1ª rodada chave B – Praia Grande 5 x 4 Guarujá
2ª rodada – Praia Grande 2 x 1 Diadema
Semifinal – Praia Grande 1 x 1 Jandira (3 x 1 nos pênaltis)

Judô masculino livre
6º Antônio Contente Silva e Lucas ventania Manzoni – nague no kata

Malha masculina livre (* qualificado a semifinal)
1ª rodada chave B – Praia Grande 38 x 0 Jandira
2ª rodada – Praia Grande 126 x 114 Mauá

tênis masculino livre
1ª rodada – Praia Grande 0 x 2 Osasco

Fim – Confira os resultados das equipes municipais que já encerraram participação nos Jogos Regionais de 2018 – 1ª Região:

atletismo feminino PcD livre – terminou em 2º lugar (11 ouros, 10 pratas e 3 bronzes)
1ª (3) Gabriela Mendonça ferreira – 100, 200 e 400 metros – T12
1ª (2) Maria Cecília Tenreiro – disco e lançamento do dardo – T37
1ª (2) Cibele Cristina Oliveira Cavalcante – 100 e 200 metros – T20
1ª Rosana Cardoso da Silva – lançamento do disco – F34
1ª Glória Poliana Platner do Amaral – 100 metros – T54
1ª Laísa Cícera Macedo – arremesso do peso – T35
1ª Queila Bruna Assis de Senna Ribeiro – peso – T37
2ª (3) Janaína Oliveira Nascimento – 100, 200 e 400 metros – T37
2ª (2) Rosana – peso e dardo – F34
2ª (2) Laísa – 100 e 200 metros – T35
2ª Marcela Beatriz dos Santos – 100 metros – T20
2ª Queila – dardo – F37
2ª Glória – 200 metros – T54
3ª Maria Cecília – peso – T37
3ª Cibele – peso – T20
3ª Queila – disco – T37
3ª Glória – 400 metros – T54
5ª Marcela – arremesso do peso – T20

atletismo masculino PcD livre – terminou em 4º lugar (16 ouros, 11 pratas e 3 bronzes)
1º (3) Vinicius Canas Gonçalves – 100 metros, lançamento do dardo e arremesso do peso – F/T35
1º (3) Gottlieb Ricardo Gonser – 100, 200 e 400 metros – T12
1º (3) Marcelo Sousa dos Santos – salto em distância, 100 e 200 metros – T38
1º (2) Franklin Roberto dos Santos Alves – dardo e peso – F37
1º (2) Rafael Alexandre de Oliveira – 100 e 200 metros – T34
1º Alexandre Barbosa Lima – lançamento do disco – F37
1º Adrian Oliveira Conceição – 100 metros – T20
1º Renan Santos Romão – 400 metros – T38
2º (2) Renan – 100 e 200 metros – T38
2º (2) Tarciso Silva Barra Santos – 200 e 800 metros – T37
2º (2) Adrian – 400 e 1.500 metros – T20
2º (2) Alexandre – dardo e peso – F37
2º Franklin – disco – F37
2º Murilo Nascimento Oliveira – 5km – T20
2º Rafael Alexandre – peso – F34
3º Tarciso – 400 metros – T37
3º Raphael Ribeiro da Silva – 5km – T20
3º Murilo – 200 metros – T20
4º Murilo – salto em distância – T20
4º Raphael Ribeiro – 1.500 – T20
6º Raphael Ribeiro – 400 metros – T20

Capoeira masculina livre – terminou em 5º lugar (1 prata)
2º Leandro Gimenes de Aguiar – leve (até 68 kg)
4º Fernando Ribeiro da Silva – meio-pesado (77,5 a 87 kg)
5º Thiago Oliveira dos Santos – pesado (mais de 87 kg)
7º Bruno de Souza José – médio (68 a 77,5 kg)

Capoeira feminina livre – terminou em 6º lugar
5ª Rosemary Rocha de Oliveira – meio-pesado (59 a 66 kg)
6ª Marina Batista Costa – médio (53 a 59 kg)
6ª Luciene Caires de Aguiar – pesado (mais de 66 kg)

damas mistas livre – terminou em 3º lugar (1 bronze)
1ª rodada – Praia Grande 4 x 6 Itapevi
2ª rodada – Praia Grande 1 x 9 São Bernardo do Campo

Ginástica artística masculina sub-16 – terminou em 2º lugar (1 prata e 1bronze)
2º equipe
3º Jedson Ferreira Santos – salto
4º Cássio Eduardo Menezes do Nascimento – argolas
5º William Domingos dos Santos Filho – solo e paralelas
5º Cássio – cavalo e individual geral
5º Jedson – barra fixa
6º William – cavalo e individual geral
6º Jedson – solo
6º Vitor Silva Mendes Vieira – argolas
6º Cássio – barra fixa
7º William – argolas
7º Cássio – solo
7º Gustavo Henrique Ramos Rezende de Moraes – individual geral, cavalo e barra fixa
7º Vitor – paralelas
8º Cássio – paralelas
8º Daniel Santana Vieira – cavalo e argolas
9º Daniel – solo
9º Vitor – cavalo e barra fixa
9º Gustavo – argolas e paralelas
10º William – barra fixa
10º Daniel – paralelas
11º Gustavo – solo
11º Vitor – individual geral
12º Daniel – individual geral
14º Jedson – individual geral

ginástica rítmica feminina sub-14 – terminou em 5º lugar
5ª Sabrina Barros da Costa Barreto – aparelho bola
5ª Karen Utino Sartori – maças
5ª Isabella Correia Aguiar – fita
5ª Gabryela Stephanie Raimundo de Mendonça – mãos livres
5º individual geral
5º conjunto cinco arcos (Sabrina, Karen, Isabella, Gabryela, Isabela Puliti Pinto, Maria Eduarda Goulart de Oliveira, Larissa Gonçalves Conceição e Bruna Ribeiro Alves dos Santos)

taekwondo masculino livre – terminou em 6º lugar (1 prata)
2º Gustavo Gomes Monteiro – meio-pesado (69 a 80 kg)
4º Wilson Candido dos Santos Júnior – médio (59 a 68 kg)
6º Paulo Alexandre Teixeira Araújo – leve (até 58 kg)
7º Andre Luiz Silva dos Santos – pesado (mais de 80 kg)

taekwondo feminino livre – terminou em 8º lugar
8ª Giovanna Cunha Freitas – luta – médio (50 a 57 kg)

tênis feminino livre – terminou em 3º lugar (2 bronzes)
Praia Grande 0 x 2 Embu das Artes

 Delegação de Praia Grande chega a 70 medalhas conquistadas

Grupo municipal fatura 28 ouros, 26 pratas e 16 bronzes
8/7/2018

Após o quarto dia (total de nove) de competições em Santo André, a delegação de Praia Grande (Secretaria de Esporte e Lazer – SEEL) – 1ª Região. As conquistas ocorreram nas disputas de atletismo feminino (F) e masculino (M) para pessoas com deficiência (PcD) idade livre; damas mistas (F/M) livre; capoeira e taekwondo M livre, ginástica artística masculina sub-16 e tênis F livre.

Em 2017, a delegação de Praia Grande terminou com 133 subidas no pódio (50 ouros, 46 pratas e 37 bronzes) – estabelecendo novos recordes na quantidade total e no número de primeiros lugares. Em 2016, trouxe 67 medalhas (27 ouros, 25 pratas e 15 bronzes). Em 2015, acabou com 107 medalhas (33 ouros, 50 pratas e 24 bronzes). Em 2014, faturou 80 medalhas (29 ouros, 33 pratas e 18 bronzes). Em 2013, foram 87 medalhas (41 ouros, 27 pratas e 19 bronzes). Em 2012, vieram 71 medalhas (21 ouros, 28 pratas e 22 bronzes). Em 2011, obteve 54 medalhas (21 ouros, 15 pratas e 18 bronzes). 

Em 2010, conquistou 73 medalhas (12 medalhas de ouro, 28 pratas e 33 bronzes). Em 2009, trouxe 69 medalhas (16 ouros, 24 pratas e 29 bronzes). Em 2008, somou 48 medalhas (13 ouros, 14 pratas e 21 bronzes). Em 2007, totalizou 35 medalhas (9 ouros, 9 pratas e 17 bronzes). Em 2006, obteve 13 medalhas (3 ouros, 6 pratas e 4 bronzes). Em 2005, a cidade de Praia Grande criou a Secretaria de Esporte e Lazer, sediou os Jogos Regionais e faturou 10 medalhas (1 prata e 9 bronzes). Em 2004, ganhou sete medalhas (duas pratas e cinco bronzes). Em 2003, vieram dois bronzes. Em 2002, foram quatro medalhas (duas pratas e dois bronzes). Em 2001, obteve dois bronzes. Em 2000, os desportistas de Praia Grande conquistaram um bronze.

Pódios – Confira as medalhas conquistadas pela Cidade nos Jogos Regionais de 2018: 

Ouro (28)
– (3) Vinicius Canas Gonçalves – atletismo PcD – 100 metros, lançamento do dardo e arremesso do peso – F/T35
– (3) Gottlieb Ricardo Gonser – atletismo PcD – 100, 200 e 400 metros – T12
– (3) Marcelo Sousa dos Santos – atletismo PcD – salto em distância, 100 e 200 metros – T38
– (3) Gabriela Mendonça ferreira – atletismo PcD – 100, 200 e 400 metros – T12
– (2) Maria Cecília Tenreiro – atletismo PcD – disco e lançamento do dardo – T37
– (2) Cibele Cristina Oliveira Cavalcante – atletismo PcD – 100 e 200 metros – T20
– (2) Franklin Roberto dos Santos Alves – atletismo PcD – dardo e peso – F37
– (2) Rafael Alexandre de Oliveira – atletismo PcD – 100 e 200 metros – T34
– Alexandre Barbosa Lima – atletismo PcD – lançamento do disco – F37
– Adrian Oliveira Conceição – atletismo PcD – 100 metros – T20
– Renan Santos Romão – atletismo PcD – 400 metros – T38
– Rosana Cardoso da Silva – atletismo PcD – lançamento do disco – F34
– Glória Poliana Platner do Amaral – atletismo PcD – 100 metros – T54
– Laísa Cícera Macedo – atletismo PcD – arremesso do peso – T35
– Queila Bruna Assis de Senna Ribeiro – atletismo PcD – peso – T37
– Débora de Almeida Simões Moreira – atletismo – arremesso do peso

Prata (26)
– (3) Janaína Oliveira Nascimento – atletismo PcD – 100, 200 e 400 metros – T37
– (2) Rosana Cardoso da Silva – atletismo PcD – peso e dardo – F34
– (2) Laísa Cícera Macedo – atletismo PcD – 100 e 200 metros – T35
– (2) Renan Santos Romão – atletismo PcD – 100 e 200 metros – T38
– (2) Tarciso Silva Barra Santos – atletismo PcD – 200 e 800 metros – T37
– (2) Adrian Oliveira Conceição – atletismo PcD – 400 e 1.500 metros – T20
– (2) Alexandre Barbosa Lima – atletismo PcD – dardo e peso – F37
– Franklin Roberto dos Santos Alves – atletismo PcD – disco – F37
– Murilo Nascimento Oliveira – atletismo PcD – 5km – T20
– Rafael Alexandre de Oliveira – atletismo PcD – peso – F34
– Marcela Beatriz dos Santos – atletismo PcD – 100 metros – T20
– Queila Bruna Assis de Senna Ribeiro – atletismo PcD – dardo – F37
– Glória Poliana Platner do Amaral – atletismo PcD – 200 metros – T54
– Flávio Barbosa da Cruz – atletismo – lançamento do disco
– Débora de Almeida Simões Moreira – atletismo – lançamento do disco
– Leandro Gimenes de Aguiar – capoeira – leve (até 68 kg)
– William Domingos dos Santos Filho, Jedson Ferreira Santos, Cássio Eduardo Menezes do Nascimento, Vitor Silva Mendes Vieira, Gustavo Henrique Ramos Rezende de Moraes e Daniel Santana Vieira – cavalo e argolas
– equipe de ginástica artística masculina sub-16
– Gustavo Gomes Monteiro – taekwondo – luta – meio-pesado (69 a 80 kg)

Bronze (16)
– Tarciso Silva Barra Santos – atletismo PcD – 400 metros – T37
– Raphael Ribeiro da Silva – atletismo PcD – 5km – T20
– Murilo Nascimento Oliveira – atletismo PcD – 200 metros – T20
– Maria Cecília Tenreiro – atletismo PcD – peso – T37
– Cibele Cristina Oliveira Cavalcante – atletismo PcD – peso – T20
– Queila Bruna Assis de Senna Ribeiro – atletismo PcD – disco – T37
– Glória Poliana Platner do Amaral – atletismo PcD – 400 metros – T54 
– Daniela Bitencourt Ennes – atletismo – lançamento do disco
– Ana Caroline Aguiar da Silva – atletismo – lançamento do martelo
– Dyogenes Gleyson Farias dos Santos – atletismo – 400 metros
– João Vitor de Jesus Assenção – atletismo – 100 metros
– Dyogenes Gleyson Farias dos Santos, João Vitor de Jesus Assenção, Gabriel Costa Santana Silva e Alexandre Alves Moura – atletismo – revezamento 4×100
– Alice Pereira Rosa Martin, Carolina Regina Boranga Reis Dourado, Maria Candida Rajanauski, Denizard Rivail Velloso, Sebastião Lucas da Silva, Edson Claudinei Arantes Cardozo, Djair Quintanilha, Fabiano Cristino Costa, Robinson Ferreira da Silva e Juliano Barangello – equipe de damas mistas livre
– Jedson Ferreira Santos – ginástica artística masculina – salto sobre o cavalo
– Fátima Cristina Gomes Pinto – tênis – individual
– Cristina Bestilleiro Magarinos e Fátima Cristina Gomes Pinto – tênis – dupla


Revolução Constitucionalista de 1932

ENTENDENDO O 9 DE JULHO – por Ivan César Belentani – Capitão da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

O dia 9 de julho se tornou feriado no Estado de São Paulo no ano 1997, por força da Lei 9.497, promulgada pelo então Governador Mário Covas. Entretanto, muitos cidadãos paulistas desconhecem o que é comemorado nesse dia.

O dia 9 de julho é considerado a data magna de nosso Estado, ocasião em que se comemora a

.
Pois bem. Vamos entender de forma simples o que aconteceu e porque essa data é tão importante para o Estado de São Paulo.
Em 1930 Getúlio Vargas, que era gaúcho, assumiu o poder da nação, depondo o então presidente Washington Luis e impedindo que Júlio Prestes, paulista, assumisse o governo. Vargas destituiu o congresso e retirou poderes dos Estados.
Muitos paulistas acreditavam que Getúlio convocaria uma assembleia constituinte e eleições presidenciais, fatos que não ocorreram, gerando revolta no Estado.
Na busca de um regime constitucional e com apoio de comerciantes, profissionais liberais, maçons e estudantes universitários, em 23 de maio de 1932 ocorreu um grande ato político na cidade de São Paulo pedindo a realização de eleições.
Os estudantes Mário Martins de Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Souza e Antonio Camargo de Andrade, que participavam do ato, foram mortos durante tentativa de invasão a um local que se concentravam apoiadores do regime de Getúlio Vargas.
Surge aí a sigla M.M.D.C., referente à forma como os estudantes eram conhecidos – Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. Mais tarde acrescentou-se a letra A ao final da sigla, referente ao jovem Alvarenga, também morto no conflito.

Surge também a partir daí, já no dia 9 de julho, uma grande revolta armada, na qual os paulistas exigiam a saída de Vargas do poder, a realização de eleições e a elaboração de uma nova Constituição.
Utilizando os meios de comunicação existentes na época – rádios e jornais – foram mobilizados mais de 200 mil voluntários, dos quais cerca de 60 mil atuariam em combate.
As tropas paulistas, incluindo-se o efetivo da então Força Pública, atual Polícia Militar – que participou com cerca 10 mil combatentes, 4 aviões, 5 trens blindados e diversos veículos também blindados – imaginavam que poderiam contar também com o apoio de militares mineiros, mato-grossenses e gaúchos, mas o apoio não chegou.
Cerca de 100 mil soldados aliados do governo federal partiram para o enfrentamento com os paulistas.
Após quase 90 dias de intenso combate e cercadas por tropas federais, as tropas paulistas, com necessidades de alimentação e armamento, se renderam ao governo federal.
Batalha perdida em campo e vencida na política. Vitoria moral para os paulistas.
Embora dados não oficiais indiquem a morte de cerca 2 mil soldados paulistas, o objetivo seria alcançado, já que em 1934 ocorreria a promulgação de uma nova Constituição, que ficaria em vigor até 1937, quando Vargas fechou o Congresso Nacional, cassando a nova Constituição.
Vargas ficou no poder até 1945, quando foi finalmente deposto.
Em homenagem aos paulistas mortos na revolução, foi construído no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Obelisco Mausoléu aos Heróis de 32. Maior monumento de São Paulo, com 72 metros de altura, abriga os restos mortais de mais de 700 combatentes, com destaque especial para Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (M.M.D.C.).
Entre várias inscrições existentes no monumento, a que mais se destaca é a constante de sua base:
“Viveram pouco para morrer bem,
morreram jovens para viver sempre.”
Orgulho dos paulistas, a Revolução de 1932 jamais deverá ser esquecida, como forma de honrar a memória daqueles que lutaram e deram suas vidas por um Brasil mais justo e perfeito.

 

 Ginástica artística masculina de Praia Grande é vice-campeã

Turma da Cidade fatura uma prata e um bronze
8/7/2018

No sábado (7), em Santo André, a seleção de ginástica artística masculina sub-16 de Praia Grande (Secretaria de Esportes e Lazer – SEEL) sagrou-se vice-campeã com duas medalhas (uma prata e um bronze) do torneio dos 62º Jogos Regionais (JR) do Estado de São Paulo – 1ª Região, evento regido pela Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude (SELJ). 

Os rapazes da Cidade enfrentaram oponentes dos selecionados de São Caetano do Sul (que ficou com o título) e de Santos (terceiro colocado). Houve disputas por medalhas nas provas de solo, cavalo com alças, argolas, salto, barras paralelas simétricas, barra fixa, individual geral (somatória de pontos obtidas por cada competidor em todos os aparelhos) e equipe. 

Confira os resultados dos atletas de Praia Grande que foram comandados pelos professores Leandro Salvador Heredia e Caio Américo Costa:

2º equipe
3º Jedson Ferreira Santos – salto
4º Cássio Eduardo Menezes do Nascimento – argolas
5º William Domingos dos Santos Filho – solo e paralelas
5º Cássio – cavalo e individual geral
5º Jedson – barra fixa
6º William – cavalo e individual geral
6º Jedson – solo
6º Vitor Silva Mendes Vieira – argolas
6º Cássio – barra fixa
7º William – argolas
7º Cássio – solo
7º Gustavo Henrique Ramos Rezende de Moraes – individual geral, cavalo e barra fixa
7º Vitor – paralelas
8º Cássio – paralelas
8º Daniel Santana Vieira – cavalo e argolas
9º Daniel – solo
9º Vitor – cavalo e barra fixa
9º Gustavo – argolas e paralelas
10º William – barra fixa
10º Daniel – paralelas
11º Gustavo – solo
11º Vitor – individual geral
12º Daniel – individual geral
14º Jedson – individual geral

Histórico da ginástica artística masculina de Praia Grande nos Jogos Regionais:
2008 (sede São Caetano) – sub-16 – 3º lugar (1 bronze)
2009 (Santo André) – sub-16 – 4º lugar 
2010 (Guarujá) – sub-16 – 3º lugar (1 bronze)
2011 (Santo André) – sub-16 – 3º lugar (1 bronze)
2012 (Santo André) – sub-16 – 1º lugar (2 ouros, 1 prata e 3 bronzes) 
2013 (Barueri) – sub-16 – 2º lugar (3 pratas e 2 bronzes) 
2014 (Osasco) – sub-16 – 2º lugar (1 ouro, 5 pratas e 3 bronzes) 
2015 (São Bernardo do Campo) – sub-16 – 2º lugar (4 pratas e 2 bronzes) 
2016 (São Bernardo do Campo) – sub-16 – 2º lugar (2 pratas e 2 bronzes) 
2017 (São Bernardo do Campo) – sub-16 – 2º lugar (2 ouros, 4 pratas e 3 bronzes) 
2018 (Santo André) – sub-16 – 2º lugar (1 prata e 1 bronze)

Praia Grande – Canto do Forte – Prática de Skate – Marcello Toledo

%d blogueiros gostam disto: